Igreja da Misericórdia

Soares (2021)

Data de fundação: 6 de março de 1583

Origem:

A Igreja da Misericórdia deve a sua fundação a D. Filipe I, através de um Alvará régio datado de 6 de março de 1583. Segundo este documento, estipulava-se a anexação da Irmandade de S. Pedro e S. Domingos, que administrava o hospital, à Misericórdia. A autoria da sua traça foi atribuída ao escultor Thomé Velho, discípulo de João de Ruão, que executou também as esculturas do portal e do retábulo-mor (Município de Montemor-o-Velho, Oliveira, 2004 & Sistema de Informação para o Património Arquitetónico, 2001-2016).

Estilo arquitetónico:

A igreja da Misericórdia de Tentúgal apresenta um modelo estrutural maneirista, de linhas sóbrias e gosto depurado, cujo elemento decorativo de maior destaque na fachada é o portal, em arco pleno, inserido numa estrutura retabular (Município de Montemor-o-Velho, Oliveira, 2004 & SIPA, 2001-2016).

Com duas arquivoltas decoradas por cabeças aladas, cartelas, mascarões e motivos vegetalistas, esta igreja é ladeada por duas colunas coríntias de fuste canelado e rematada por entablamento. Sobre este entablamento, foi rasgada uma janela retangular, ladeada por aletas e encimada por edícula com a imagem de Nossa Senhora da Misericórdia gravada em relevo. Esta estrutura deriva do modelo de portal-retábulo concebido por João de Ruão, que a arquitetura maneirista acabaria por adotar (Município de Montemor-o-Velho, Oliveira, 2004 & SIPA, 2001-2016).

O edifício da Casa do Despacho segue o modelo chão aplicado à arquitetura civil edificada no final do século XVII. De planta retangular, a fachada é dividida em dois pisos. O primeiro piso apresenta, ao centro, um portal de moldura retangular, que é ladeado por pilastras e encimado por um friso decorado e por um brasão com escudo nacional. No segundo registo, foram rasgadas quatro janelas de sacada com varandim de ferro, que marcam o ritmo da fachada. O edifício é delimitado, lateralmente, por contrafortes (Município de Montemor-o-Velho, Oliveira, 2004 & SIPA, 2001-2016).

Os contrafortes, que rematam lateralmente o corpo da Igreja da Misericórdia, são coroados por pináculos, e o pano murário termina em empena, entrecortada por cruz de pedra. Na fachada lateral esquerda, foi adossada a torre sineira, de planta retangular, com portal de moldura retangular simples, que seria coroado por coruchéu ladeado por pináculos (Município de Montemor-o-Velho, Oliveira, 2004 & SIPA, 2001-2016).

Interiormente, a Misericórdia de Tentúgal apresenta um modelo muito semelhante às igrejas de Misericórdia construídas na mesma época, com planta de nave única, formando um espaço unitário articulado com a sacristia. O retábulo divide-se num esquema edicular, característico dos retábulos maneiristas. No primeiro registo, foi colocado, ao centro, o grupo escultórico, representando a Visitação, ladeado por relevos da Anunciação, do Sonho de São José, da Natividade de São João e Presépio, bem como pelas imagens de São Pedro e de um Santo Padre (Município de Montemor-o-Velho & Oliveira, 2004).

Nos intercolúnios, foram colocadas as imagens dos Doutores da Igreja, Santo Agostinho, São Jerónimo, São Gregório e Santo Ambrósio. No registo superior foi esculpido, ao centro, o relevo de Nossa Senhora da Misericórdia, ladeada pela Adoração dos Magos e Apresentação no Templo. Este registo é rematado, lateralmente, pelos relevos de São Domingos e pela Estigmatização de São Francisco. A predela do retábulo foi decorada com anjos, que carregam os símbolos do Martírio e a figura de São João Baptista (Município de Montemor-o-Velho & Oliveira, 2004).

História:

Em 1496, iniciou-se a construção do Hospital de São Pedro e São Domingos, sob a égide de uma Confraria administradora, com estatutos e regalias aprovados em 1457, que esteve na base da fundação do Convento de Nossa Senhora do Carmo (Município de Montemor-o-Velho & Oliveira, 2004).

Fundada em 6 de março de 1583, por alvará régio de D. Filipe I, a irmandade da Misericórdia de Tentúgal iniciou a edificação da sua igreja, alguns meses depois, sendo a autoria da sua traça atribuída ao escultor Thomé Velho, discípulo de João de Ruão, que executou também as esculturas do portal e o retábulo-mor (SIPA, 2001-2016).

As obras da Igreja começaram pela fachada, por volta de 1583, data dos primeiros pagamentos a pedreiros para abrirem os alicerces, bem como carregamentos de pedra provenientes de Portunhos e de Ançã. Em 1587/88, Manuel Fernandes trabalhava na empena do portal (esta foi posteriormente alterada, sofrendo remodelações no século XVIII). Nesse mesmo ano, a fachada ficaria terminada (Município de Montemor-o-Velho & Oliveira, 2004).

Porém, as obras deste templo iriam prolongar-se durante mais alguns anos. Assim, em 1592, foi paga a Francisco Rodrigues a pia de água benta e, em 1595, foram pagas as despesas com a construção da sacristia. Em 1595, avançava-se, então, com a construção da sacristia e, no ano seguinte, em 1596, iniciava-se a execução do retábulo-mor, que se concluiu em 1600, cuja autoria foi atribuída a Thomé Velho (Município de Montemor-o-Velho & Oliveira, 2004).

Entre 1685 e 1694, a igreja registou obras de melhoramento, que foram dirigidas pelo arquiteto Francisco Rodrigues. Neste sentido, salienta-se a construção da tribuna dos mesários. Neste período, a Casa do Despacho seria, também, edificada (Município de Montemor-o-Velho & Oliveira, 2004).

Anos mais tarde, em 1722, foi renovada a torre e, provavelmente, também, o alto da frontaria. O arco existente entre a Igreja e a Casa do Despacho (entaipado) é anterior à extinção dos vínculos (1863) e dava serventia para os edifícios do beco. Em 1914, ocorreram obras na Igreja, sendo que, em 24 de março desse ano, o cónego Rui de Andrade concedeu e assinou a licença e Provisão de Bênção (Município de Montemor-o-Velho & Oliveira, 2004).

A cobertura em pré-esforçado da Igreja da Misericórdia foi reconstruída em 1979. Dois anos mais tarde, em 1981, foram reparados o teto e a fachadas. Em 1986/87, foram executadas obras de beneficiação, tendo-se concluído o seu restauro (Município de Montemor-o-Velho & Oliveira, 2004).

Curiosidades:

Este templo tem a particularidade de ser um dos poucos na região do Baixo-Mondego que possui presbitério, sobre o qual foi edificado o retábulo-mor, com a sala do Despacho adossada à fachada lateral esquerda, que se encontra aberta para a nave, através de tribuna. Na zona inferior do presbitério, foi colocado um grupo escultórico, que representa a Deposição no Túmulo, inspirado nas Deposições ruanescas. Tentúgal foi das poucas vilas, em cuja Câmara, em 1580, D. António Prior do Crato foi proclamado Rei de Portugal (Município de Montemor-o-Velho & Oliveira, 2004).

Referências Bibliográficas:

Município de Montemor-o-Velho. Igreja da Misericórdia de Tentúgal. Disponível em: https://www.cm-montemorvelho.pt/index.php/component/k2/item/195-igreja-da-misericordia

Oliveira, C. (2004). Igreja da Misericórdia de Tentúgal. Disponível em: http://www.patrimoniocultural.gov.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/74007/

Sistema de Informação para o Património Arquitetónico (2001-2016). Edifício e Igreja da Santa Casa da Misericórdia de Tentúgal. Disponível em: http://www.monumentos.gov.pt/Site/APP_PagesUser/SIPA.aspx?id=4710

Botão Voltar ao Topo